Distinta Juventude

Aveline olhou-se uma última vez no espelho do quarto antes de desabar de cansaço na cama. Pequenas rodelas de suor encharcando os lençóis desarrumados. Os hormônios que tomava andaram esculpindo curvas maravilhosas em seu corpo. Missy Elliott ainda cantava em looping nas caixas de som. Everybody here/Get it outta control/Get yo backs off tha wall/Cuz Misdemeanor said so. A coreografia marcada a ferro quente na memória de tantos ensaios. Não há espaço pra erros ou escorregões na performance de amanhã.

Suspiro.

Aveline levantou e foi até o computador que hibernava com o murmurinho constante de um cooler Intel. A tela abandonada brilhou no tumblr aberto. Uma foto da fachada de uma biblioteca com um letreiro enorme gritando LIBRARY! e um comentário at the disco. Aveline sentou na cadeira e cruzou as pernas sobre o estofado mole. Uma regata branca comprida caindo sobre uma legging preta. Take my picture, Hollywood em stencil roxo no tecido de malha na parte frontal. Peitos nus e visíveis nas laterais. Peitos comprados através de um generoso crowdfunding.

Três mensagens vibrando no celular sobre um amontoado de papéis empoeirados. Boys, boys, boys. O primeiro era um doce, mas babava demais no beijo. O segundo era um babaca que não queria dizer pros amigos que tava saindo com uma mulher trans. O terceiro era um bailarino sereia que cheirava a sândalo. Te encontro na backdoor do teatro amanhã à noite.

Aveline. 20 anos, 4 meses, 13 dias e um borrão de horas esticadas lendo um tópico de creepypasta no Reddit. Sem diploma escolar. Independente à força desde os 17, quando foi empurrada pra fora de casa e tomou uma surra nas ruas estreitas do centro da cidade. Três costelas quebradas e um saco de roupas e livros pendurado no ombro. Uma cabeça afiada demais para um mundo em pedaços. Millennials sim e obrigada, mas não queremos carros. Geração Y. Cromossomos XY. Gênero XX. Linguagem XXX. Ctrl+Shift+N para o Xvideos porque o PC é compartilhado com o colega de quarto que divide as contas. Um balão do uTorrent subiu na tela avisando que o download das aulas do Dale J. Stephens estava completo. Precisava escrever um post sobre isso depois no fórum de school & college dropouts e fazer um mix no 8tracks em celebração de sua educação alternativa. Isso merece um gif da Beyoncé.

Um poster de Lynda Carter desgrudou na parede e aterrissou numa pilha de jeans no chão. Ah, tem overanalyze nova pra ler no 4chan sobre os frames escondidos naquele clipe novo da Lady Gaga. Aveline colaborava com tijolos textuais densos, herméticos e recheados de sacanagem.

Dor no pescoço. Ansiedade que não se sacia. Pulso ardendo.

Saiu do 4chan direto para um streaming de alguma guerra civil. Gritos em sei lá que idioma. A url lia apenas um “What fresh hell can this be?”. Aveline jurou ouvir a risada do fantasma de Dorothy Parker. A câmera tremia. Alguém sendo carregado para fora da multidão com o crânio aberto numa ferida horrenda. Sangue tão palpável que parecia falso. A algazarra era estranhamente confortável. Embalada, caiu no sono ali mesmo.

Acordou no susto com a bochecha sobre o teclado numérico. O couro falso rasgado das almofadas do headphone mordiscando suas orelhas. Santigold começou a cantar em alguma das vinte e oito abas abertas. Aquela Disparate Youth. E helicópteros. Não lembrava dessa música ter helicópteros. Não, as hélices cortavam o ar lá fora. Aveline enfiou a cabeça na janela. Nenhuma silhueta militar no alaranjado sujo que iluminava as nuvens no topo do morro. Apenas dragões dourados voando baixo.

E quando foi que amanheceu? Seria bom passar um corretivo nas olheiras. Aveline abriu a primeira gaveta superior da mesa e mergulhou a mão num ninho de cabos, fones quebrados, sticks de memória velhos, post-its amassados, gloss, pincéis de maquiagem, um bico-de- pena de plástico nunca usado e finalmente o corretivo num potinho bege em forma de gota.

Mas antes de sair, um retweet do NightValeRadio: There is no such thing as fiction. Just non-fiction written in the wrong parallel universe.

TL;DR: Aveline discute política jogando MMO de Pokémon.

 

Publicado originalmente no Quotidianos em 05/04/2014.